sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Eu sei

No fundo sei que não devo, não nego, pois é
Fácil dizer, que não se pode, não se deve
Embriagante, viciante e instigante, sim, é
Um desejo que não senão se pede, não se mede

Um abraço não se solicita, se compartilha
Um carinho não precisa de boas vindas, apenas chega
Um beijo não se pede, não se rouba ou se mede, se dá
Um amor não aparece, ou some, apenas... nasce

No fim, verei e perceberei
Se valeu a pena, foi por que eu fiz valer
Seja amanhã ou no próximo findar
Conjulgar-lhe-ei este verbo, amar





Relutei em postar isso, mas...taí, espero que meus 2 leitores gostem.

3 comentários:

Clarissa disse...

oin *.*
nossa... q lindo
está muito bommmm
fico muito feliz que esteja mesmo escrevendo... vou esperar pra ver os próximos.

beijos

Thamiris Kuhn disse...

Felipe, gostei do seu post.
E, por que relutou para escrevê-lo?

Gostei muito deste trecho:
"Um abraço não se solicita, se compartilha".


P.S.: Não perca essa vontade de sempre estar escrevendo (menos gerundiando, que nem eu). Cansei de dizer a certas pessoas, mas obtive resposta contrária. Escrever não é hábito; é simplesmente uma das mais belas artes que o homem pode exercer.

Bem, é o que eu penso.

Beijos,

Miih disse...

Feee.. adoreiii.. tens o dom
Agoraa eu sou a sua terceira leitora viu?!
Beijãooo